sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Mobilidade em Icaraí: Túnel?...


De repente, a prefeitura de Niterói surgiu com um Projeto de Mobilidade para Icaraí, que colocou em discussão com os moradores. 
As mudanças visariam melhorias na fluidez do trânsito, com a implantação de ciclovias, melhor utilização das linhas de ônibus, colocação de sinais de trânsito "inteligentes" etc.
A Prefeitura pretende resolver as questões de mobilidade de um "quadrilátero" que é apenas parte de um bairro, quando se sabe que é preciso um plano de mobilidade para a cidade toda, e considerando também os municípios vizinhos.
Mas, com este olhar pontual, a prefeitura "descobriu" que um dos binários de Icaraí (pares de ruas que vão da praia a Santa Rosa e vice-versa) está incompleto, e a falta que faz à mobilidade do bairro...
Aí, foram buscar no passado longínquo a ideia de construir um túnel entre a Rua 5 de Julho e a Rua Osvaldo Cruz, túnel que atravessaria um morrinho (hoje cercado de prédios) que é, fundamentalmente, uma surpreendentemente bem preservada reserva de Mata Atlântica.
A construção de mais este túnel na cidade, destruiria também um dos supermercados de Icaraí, o Princesa, na Rua Cel. Moreira César. 

 
Na verdade, o binário que falta em Icaraí já existe!
Só falta ser enxergado... Para que o binário "apareça", bastam as seguintes mudanças:
1) inverter a mão da Rua Lopes Trovão (passando a ir de Santa Rosa para a praia de Icaraí);
2) criar um novo eixo de trânsito (da praia de Icaraí para Santa Rosa): Rua Otávio Carneiro (com mudança de mão), Rua Gavião Peixoto (no trecho em frente ao Campo de São Bento) e Rua Domingos de Sá (também com inversão da direção de mão).

 




Assim, se a justificativa é "criar mais um eixo de trânsito", ora, não é necessário construir este tal túnel "5 de Julho - Osvaldo Cruz"!
Uma alteração complementar é necessária: a extensão da pista reversível da Av. Roberto Silveira (no horário da tarde, que faz a ligação Ponte - Região Oceânica).
Esta reversível poderia seguir até a Av. Sete de Setembro, como já sugerido.

O melhor, porém, é "esticar" apenas um quarteirão, até a Rua 5 de Julho (que também teria a mão invertida). Evitaria a retenção do trânsito (no sentido inverso) muito perto do túnel Raul Veiga e ainda a repetição da mesma direção de trânsito em três ruas paralelas seguidas (Domingos de Sá, 5 de Julho e Mariz e Barros).
Esta sugestão, apresentada pela Prof. Regina Bienenstein, da Escola de Arquitetura da UFF, na segunda reunião dos representantes da Prefeitura com os moradores de Icaraí, é, evidentemente, MUITO mais simples e MUITO barata do que a construção de um túnel...
Naturalmente, implicará na resolução de muitos detalhes (alocar novos pontos de ônibus, de táxi, sinais de trânsito, faixas de pedestre, ciclovias etc.). 

Que são, certamente, não mais do que as tarefas normais exigidas para a reorganização de todo o restante do bairro...

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Terrorismo urbano no Rio de Janeiro: o drama de Vila Autódromo



Há, sim, terrorismo no Brasil.

Muitas das ações terroristas (porque provocam destruição e morte indiscriminadas) são praticadas, no Brasil, pelas pequenas ditaduras estabelecidas no nível mais básico de poder, ou seja, pelas prefeituras, quando dominadas por políticos corruptos, oportunistas e/ou subservientes a pequenos ou grandes interesses econômicos.

Pelo interior adentro (mas também nas capitais), chega a ser comum e até banal o desvio do dinheiro das merendas escolares, a desmontagem dos serviços públicos de saúde, a monopolização dos sistemas de transportes, as vantagens imorais para os financiadores de campanhas políticas, entre muitos outros etcs...


Foto de perfil no Facebook
Este tipo de ação terrorista urbana atingiu o "estado da arte" naquelas cidades em que os interesses locais (sempre particulares, eleitoreiros...) se associaram às grandes jogadas dos megaeventos esportivos internacionais (que percorrem o mundo na busca incessante de lucros).


Neste momento, no Brasil, o ato terrorista urbano mais agudo e grave vem sendo praticado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, sob o comando incansável de Eduardo Paes (PMDB), genérico pupilo político de, sucessivamente, César Maia, Sérgio Cabral e Eduardo Cunha. 

E o de maior valor simbólico (talvez o mais cruel) é a utilização da máquina pública para aterrorizar os moradores de Vila Autódromo, comunidade formada há mais de 40 anos, cujo "azar" vem da escolha de um espaço vizinho, o antigo autódromo, para a construção do Parque Olímpico.

Interessadíssimo na conclusão do negócio (a entrega da área à Concessionária Rio Mais, formada pelas empresas Odebrecht, Andrade Gutierrez e Carvalho Hosken, responsável por parte da construção do Parque Olímpico), o prefeito Eduardo Paes tem simplesmente ignorado a decisão de uma grande parte dos moradores, que, de forma exaustivamente declarada e respaldados pela Defensoria Pública, exige o respeito ao direito de permanecer em suas casas (das quais têm título de posse, concedido pelo governo estadual nos anos 1980/90), que são, na sua maioria, inseridas em uma Zona Especial de Interesse Social (ZEIS).  





     Antes do terror, o absurdo urbano: a Prefeitura vendeu o que não era seu!... 
.

Vídeo "Concurso Parque Olímpico Rio 2016 - projeto vencedor",

https://youtu.be/ZHZ3KL7iSkU
No vídeo do site Rio Cidade Olímpica, um vazio...
     Como parte do pagamento do contrato de construção do Parque Olímpico, a Prefeitura incluiu a área de Vila Autódromo na concessão, apesar de não ter, então, qualquer direito sobre ela.

     O projeto original (concurso internacional) do projeto arquitetônico do Parque Olímpico respeitou e manteve Vila Autódromo (na imagem do vídeo logo abaixo da palavra "Legacy", na diagonal à direita).


Página do site da Concessionária RioMais
(http://www.riomais.net/, acessado em 26/10/2015)


No detalhe, Vila Autódromo

na área da Concessionária Rio Mais
     Mas, não a Prefeitura do Rio de Janeiro!... Desconsiderando os direitos dos moradores, Vila Autódromo foi "anexada" à área do antigo Autódromo, como se pode ver nos vídeos institucionais ou de propaganda do projeto olímpico.


     Corroborando esta "apropriação indébita" (que talvez configure alguma forma de "improbidade administrativa"), o próprio site da Concessionária Rio Mais registra esta incorporação "antecipada" da área da comunidade de Vila Autódromo ao seu projeto imobiliário.

     Não por acaso, se encontra em andamento um processo de questionamento da licitação (inclusive da área), impetrado pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro (em fase de recursos, a caminho do STJ.
[Atualizado em 26/10/2015]



Apresentação da versão atual do Plano Popular
Igreja São José Carpinteiro, Vila Autódromo - Guina Ramos, 05/05/2015
Além de não apresentar qualquer plano de urbanização da comunidade, e nem sequer considerar o Plano Popular produzido pelos moradores, com apoio da UFF e da UFRJ (que ganhou o Urban Age Award, prêmio internacional "que reconhece e celebra iniciativas criativas para as cidades"), a Prefeitura, de forma tipicamente terrorista, tem simplesmente liberado a ação das empreiteiras dentro do espaço da comunidade (como se atualmente não vivessem ali dezenas de famílias...), permitindo que construam vias e prédios, coloquem cabos e canos, aterrem e alaguem trechos do terreno... 


Demolição, Vila Autódromo - Guina Ramos, 02/10/2015
Em suma, uma inconsequência, mas que apenas dá continuidade às ações terroristas urbanas da própria Prefeitura, que tem promovido, muitas vezes de forma ilegal, irresponsáveis demolições de casas, espalhando, com isto, por toda a comunidade, além do entulho, muitos perigos e medos.                           


--


Vila Autódromo sempre foi, segundo seus próprios moradores, um ótimo lugar para morar, com as suas ruas planas, os seus quintais arborizados, a tranquilidade da lagoa ao lado...



Assim vivia a Vila Autódromo em 2012, quando já começara o terrorismo especulativo atual, https://www.youtube.com/watch?v=vUAYX4q-Bgs



Aqui, um registro do início das ações terroristas oficiais, https://www.youtube.com/watch?v=QxTE2U9IlMs


--

Nesses curtos registros (vídeos de Outubro de 2015, dos próprios moradores), algumas ações terroristas urbanas da Prefeitura do Rio de Janeiro, atuando na linha de frente do invasivo jogo das corporações internacionais e do lucrativo jogo das empreiteiras e incorporadoras, na prática se autodefinindo como terrorista urbana, por conta da ação ditatorial que exerce contra seus cidadãos, enquanto oferece toda uma complacência interesseira para os especuladores imobiliários.






"OBRAS ESPERADAS HÁ DÉCADAS ESTÃO VINDO AGORA NÃO PARA BENEFICIAR A COMUNIDADE, MAS SIM A ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA", https://www.youtube.com/attribution_link?a=GYk8YfhZ8L0&u=%2Fwatch%3Fv%3DYjs72ZKUxDM%26feature%3Dshare



ÁREA DE LAZER DE VILA AUTÓDROMO X OBRAS DO PARQUE OLÍMPICO, https://www.youtube.com/watch?v=E8EC1rNy5nQ



MAR DE LAMA NA ENTRADA DA COMUNIDADE DE VILA AUTÓDROMO, https://www.youtube.com/watch?v=MpAS1eh6Buk




"OS ENTULHOS SÃO DEIXADOS PARA TRÁS COMO FORMA DE PRESSÃO, É OPRESSÃO DO PREFEITO!", https://www.youtube.com/attribution_link?a=7Gr5PeIVk5w&u=%2Fwatch%3Fv%3DUlGV7E9hJRQ%26feature%3Dshare












"NA VILA AUTÓDROMO, ENTULHOS SÃO DEIXADOS PARA PRESSIONAR MORADORES QUE QUEREM FAZER VALER SEU DIREITO A PERMANÊNCIA." https://www.youtube.com/attribution_link?a=pT-UeTI3VaA&u=%2Fwatch%3Fv%3DZA1Ijp4A-aY%26feature%3Dshare